Star Wars Tecnologia de coisa nenhuma...: A arte contemporânea do desapego

quarta-feira, 4 de maio de 2011

A arte contemporânea do desapego

Todos nós em algum momento da vida precisamos praticar o desapego, isso fará com que as dores resultantes das desilusões tenham um peso menor. Os seres humanos costumam viver em função do afeto, deixando o racional de lado e passando a agir com o coração. Enquanto que na verdade a razão deveria prevalecer, entender e praticar isso não vai fazer de você uma pessoa fria, mas dará mais subsídios para se tornar alguém realista.

A maioria de nós tende a entender que praticar o desapego tem a ver com o lado amoroso da vida, não é bem assim, podemos nos apegar aos mais diferentes tipos de coisas, sejam essas sapatos, roupas, carros, trabalhos, pessoas ou mesmo manias. Quantas pessoas voce conhece que não têm coragem de jogar fora aquele sapato velho porque fez parte de uma certa epoca de sua vida, ou mesmo alguem que nao troca de emprego por puro medo ou costume? Quando essas manias não interferem tanto na nossa vida, talvez até seja correto afirmar que seria um apego simples, tranquilo, um modo de se preservar ou guardar boas lembranças, mas e quando isso se torna algo prejudicial?

Conheço varios apegos que mereciam desapegos, eu mesmo ja passei por isso e posso afirmar mais ou menos como essas pessoas se sentem. Relações já sem sentido que sobrevivem apenas por um dos dois (ou os dois) não se conformarem com a separação ou por costumes que só os dois tinham? Mães que se possesam dos filhos tanto que os mesmos nao aprendem a viver sozinhos, ou mesmo como eu mesmo ja vivi, apego a um passado que simplesmente ja passou, um conjunto disso e de várias outras coisas que dão a falsa ilusão que "apegar-se" a algo ao ponto de se tornar obsessivo é uma maneira de preservar isso, enquanto que na verdade, estamos nos fazendo reféns em nosso proprio cativeiro.

É muito fácil aferrar-se às palavras e ações que os outros disseram e fizeram no passado; com isso criamos problemas e falsas ilusões. Agarramo-nos ao passado e negligenciamos o present. O mundo e a vida estão continuamente mudando; e assim, em vez de nos apegar ao passado, devemos viver uma vida nova e revigorada a cada dia. E tampouco devemos nos agarrar ao futuro e negligenciar o presente, porque o futuro é desconhecido e ainda está por vir. Lembre-se que o pilar mestre de tudo é o presente, sem ele o passado não passará de frustação e o futuro não existirá.

A vida não é um jogo de cartas marcadas, simplesmente em algumas (muitas) vezes nós vamos perder, vamos nos frustar ou simplesmente nos desiludir e o primeiro passo para desapegar-se disso é aceitar, como diria Fernando Pessoa:

"(...)Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará!Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade ."

Espero que tenham entendido a minha mensagem e que aprendam um pouco melhor a viver com isso, afinal viver não é fácil ou simples, por que voces acham que os recém-nascidos chegam ao mundo chorando? :D Boa Quarta-Feira a todos!

3 comentários:

Liziê disse...

assino totalmente embaixo, falou tudo.
=)

Zuriel Seixas disse...

Por mais que seja estranho, eu aprendo com esse tipo de situação. Pensar que o passado é tudo aquilo que eu já construi pelo caminho que eu passei, me faz pensar que eu tenho que melhorar cada vez mais, aprender cada vez mais e mostrar que nao existe um significado específico para "viver". Mas ainda é importante lembrar, que é sempre bom pensar mais no presente, ou simplesmente vivê-lo e fazer dele muito importante para depois ver o quanto esse esforço valeu a pena.hehe (:

Anônimo disse...

VOTO COM O RELATOR! :D

BJOS CELITCHA